Boletim de Conjuntura Internacional

Sobre a Intervenção Soviética no Afeganistão

Érico Sachs
publicado em “Qual é a herança da Revolução Russa?” Ed. Segrac, 1988

Nota do CVM: com o recente retorno do Talibã ao poder no Afeganistão, é oportuna a publicação desta análise de Érico Sachs sobre o período histórico em que as tropas soviéticas ocupavam este país.

 

 

A retirada das tropas soviéticas do Afeganistão está sendo exigida tanto pela diplomacia do imperialismo norte-americano e europeu quanto pelos porta-vozes da Segunda Internacional e a composição desta frente única em si já daria para desconfiar. Acontece, todavia, que a mesma reivindicação encontra apoio não só em certos partidos eurocomunistas, que se adaptam à política parlamentar-democrática, como mesmo em certos grupos da esquerda tidos como revolucionários. O que nos preocupa é justamente a confusão que a intervenção soviética criou nesse campo.

Uma avaliação dos acontecimentos naquela parte do mundo, do ponto de vista revolucionário (isto é, do ponto de vista do combate ao capitalismo e imperialismo), tem que levar em conta diversos fatores. Antes de tudo, o desenrolar da situação interna naquele país, da revolução afegã. Em segundo lugar, o papel que o Afeganistão desempenha no confronto mundial de dois sistemas sociais, do capitalismo versus mundo socialista. Terceiro, o estado das relações entre a União Soviética e o Afeganistão no passado. E por último, mas por isso não menos importante, a repercussão que a intervenção soviética tem sobre a luta do proletariado mundial e a causa do comunismo. leia mais

Portugal 1974: Liquidação das conquistas democráticas

Neste 25 de abril em Portugal, há precisamente 47 anos, irrompia a Revolução dos Cravos que derrubou a ditadura de Salazar que vigorava  desde 1933. O CVM publica a análise de Ernesto Martins (Érico Sachs) sobre este momento histórico, que foi escrita originalmente para a Revista Marxismo Militante Nº 2 exterior em fevereiro de 1976.  (CVM)

 

Ernesto Martins (Érico Sachs) – Fevereiro de 1976

 

O Segundo Pacto, concluído entre militares e representantes dos partidos políticos, deverá marcar a volta de Portugal a um regime democrático-parlamentar burguês. Embora os militares resguardassem o direito de intervenção política nos próximos quatro anos, o princípio da divisão dos poderes e o acesso dos políticos ao governo foram garantidos pelo Pacto.

Estamos em plena fase de liquidação das conquistas revolucionárias do movimento desencadeado pelo 25 de Abril. O marco visível para o declínio do processo revolucionário foi o 25 de novembro do ano passado, a fracassada rebelião dos paraquedistas. Representou, entretanto, somente um marco externo, pois de outro modo não seria compreensível a relativamente fácil vitória da reação. Desde agosto, pelo menos, as forças revolucionárias e a esquerda em geral se encontram na defensiva. Apesar de ter havido contra-ataques e do movimento de polarização no seio da própria esquerda, todos os sucessos momentâneos, aparentes ou reais, não conseguiram anular a tendência geral da ofensiva das forças da direita.

Não pretendemos aqui reconstruir essa evolução em todos os seus detalhes. Nos limitaremos a destacar os seus pontos altos, que permitem uma compreensão melhor da situação atual e uma avaliação das perspectivas. leia mais

El resurgimiento «americano» que no logró Trump

Por Claudio Katz | 31/07/2020 | EE.UU.
Fuentes: Rebelión

 

 

 

Trump concluye su presidencia con tres crisis simultáneas que jaquean su ambición de otro mandato. La pandemia, la depresión económica y la rebelión de los afroamericanos han trastocado el escenario electoral.

El magnate ejerció una presidencia disruptiva que transgredió todas las normas. Demolió la sobriedad, exaltó la grosería, extremó la fanfarronería e instaló un inédito desorden en los asuntos públicos. Su alocada confianza y su comportamiento patotero desconcertaron a los analistas.

Se generalizó la imagen de un insano sin brújula, que insulta dignatarios, humilla jefes de estado y viola todos los compromisos. Pero esa constatación no alcanza para entender el contexto actual. Se necesita una evaluación serena de los propósitos y resultados de su gestión en el terreno económico y geopolítico, tanto a escala global como regional. leia mais

A nova crise mundial do capital: a conjuntura internacional nos tempos de pandemia

Cem Flores 28.04.2020

 

FOTO: “Nossa saúde é igualmente essencial!”. Trabalhadores da Amazon, nos EUA, protestam contra suas condições de trabalho e de saúde durante a pandemia. Já foram registrados protestos em Nova IorqueDetroit e ChicagoLíderes do protesto foram demitidos. A empresa do homem mais rico do mundo viu seu faturamento e seus lucros aumentarem na crise, às custas da exploração e do adoecimento dos trabalhadores/as. Como sempre, o capital, para manter seus lucros, não hesita em queimar parte de sua força de trabalho em uma epidemia.

 

 

Doze anos após a eclosão da última grande crise mundial do capital (2008/09) – da qual o capitalismo ainda não encontrou uma recuperação propriamente dita – e depois de dois anos de clara desaceleração nas principais economias imperialistas, que já estavam a caminho de uma recessãoa economia mundial volta a viver uma crise do capital de dimensões históricas, detonada por uma pandemia. Esses fatos inauguram novas condições para a luta de classes a nível global. Diante disso, cabe ao proletariado, a todos/as os/as trabalhadores/as e demais classes dominadas, aos lutadores e às lutadoras, aos/às comunistas, compreendermos essa nova realidade na qual nossa luta já está a se desenvolver.

 

A nova crise agrava o estado depressivo do sistema imperialista mundial

Apesar das suas marcadas diferenças específicas, essas duas crises – de 2008/09 e de 2020 – compartilham a magnitude histórica, fruto do nível alcançado pelas contradições do capitalismo, em sua fase imperialista, em escala mundial, refletidas notadamente nas taxas de lucro em queda, na quase estagnação da produtividade, nos conflitos interimperialistas e na crescente desigualdade. leia mais

Notas sobre o momento histórico atual (2019)

Coletivo CVM

 

1 – Recessão mundial à vista

1.1 Até os anos 80, a taxa de lucro vinha caindo gradativamente no mundo capitalista, mas as políticas neoliberais inauguradas por Thatcher e Reagan, posteriormente exportadas como modelo para o mundo inteiro, permitiram a sua retomada, com o aumento da exploração à custa da diminuição dos salários e dos direitos dos trabalhadores, acompanhado da pilhagem das empresas estatais pelos processos de privatização.

1.2 A incorporação do antigo mundo socialista e da China ao espaço capitalista também contribuiu notavelmente para a retomada da acumulação de capital em nível mundial: formou-se um mercado global, com a internacionalização dos processos de centralização e concentração do capital, liberalização do comércio e dos investimentos diretos e globalização do exército industrial de reserva. A realocação industrial dos EUA e Europa em direção à China e à Ásia em geral são expressão disso. leia mais