Boletim de Conjuntura Internacional

Fim do Neoliberalismo Reformista

O Fim do Neoliberalismo Reformista

Foto: Manifestantes em Chicago na luta por $15/hora de trabalho, 11 de Fevereiro de 2016  (Bob Simpson/Flickr)

Num momento de convulsão política, cabe à esquerda rejeitar as falsas escolhas oferecidas e aproveitar o descontentamento generalizado para redefinir os termos do debate.[1]

Nancy Fraser [2]

 

A eleição de Donald Trump representa uma de uma série de dramáticas manifestações políticas que juntas sinalizam um colapso da hegemonia neoliberal. Essas manifestações incluem a votação do Brexit no Reino Unido, a rejeição das reformas de Renzi[3] na Itália, a campanha de Bernie Sanders para a indicação do Partido Democrata nos Estados Unidos e o crescente apoio à Frente Nacional na França, entre outros. Embora difiram em ideologia e objetivos, esses motins eleitorais compartilham um objetivo comum: todos são rejeições da globalização corporativa, do neoliberalismo e das instituições políticas que os promoveram. Em todos os casos, os eleitores estão dizendo “Não!” à combinação letal de austeridade, livre comércio, dívida predatória e trabalho precário e mal pago que caracterizam o capitalismo financeirizado atualmente. Seus votos são uma resposta à crise estrutural dessa forma de capitalismo, que apareceu inicialmente à plena vista com o quase colapso da ordem financeira global em 2008.

Até recentemente, no entanto, a resposta principal à crise era o protesto social – dramático e vigoroso, com certeza, mas em grande parte efêmero. Os sistemas políticos, ao contrário, pareciam relativamente imunes, ainda controlados pelos funcionários de partidos e pelas elites do establishment, pelo menos em estados capitalistas poderosos como os Estados Unidos, o Reino Unido e a Alemanha. Agora, no entanto, ondas de choque eleitorais reverberam em todo o mundo, inclusive nas cidadelas das finanças globais. Aqueles que votaram em Trump, como aqueles que votaram no Brexit e contra as reformas italianas, levantaram-se contra seus senhores políticos. Empinando o nariz para os partidos do establishment, eles repudiaram o sistema que erodiu suas condições de vida nos últimos trinta anos. Que eles tenham feito isso não é surpresa, mas sim porque eles demoraram tanto.

Entretanto, a vitória de Trump não é apenas uma revolta contra as finanças globais. O que seus eleitores rejeitaram não foi o neoliberalismo tout court, mas o neoliberalismo reformista. Isso pode soar para alguns como um paradoxo, mas é um alinhamento político real, embora perverso, que detém a chave para entender os resultados das eleições nos EUA e talvez alguns desenvolvimentos em outros lugares também. Em sua forma norte-americana, o neoliberalismo reformista é uma aliança das principais correntes de novos movimentos sociais (feminismo, antirracismo, multiculturalismo e direitos LGBT), de um lado, e setores comerciais “simbólicos” e por outro de serviços de ponta (Wall Street, Vale do Silício e Hollywood). Nesta aliança, as forças reformistas estão efetivamente unidas às forças reconhecidas do capitalismo, especialmente à financeirização. No entanto, inadvertidamente, o primeiro empresta seu carisma ao segundo. Ideais como a diversidade e o empoderamento, que poderiam, em princípio, ter objetivos diferentes, agora refletem políticas que devastaram a indústria e o que antes eram vidas de classe média.

O neoliberalismo reformista se desenvolveu nos Estados Unidos nas últimas três décadas e foi ratificado com a eleição de Bill Clinton em 1992. Clinton foi o principal engenheiro e porta-estandarte dos “Novos Democratas”, o equivalente americano do “Novo Trabalhismo” de Tony Blair. No lugar da coalizão do New Deal entre operários sindicalizados, afro-americanos e as classes médias urbanas, ele forjou uma nova aliança de empreendedores, suburbanos, novos movimentos sociais e jovens, proclamando sua boa-fé moderna e progressista ao abraçar a diversidade e o multiculturalismo, e os direitos das mulheres. Mesmo endossando tais noções progressistas, o governo Clinton cortejou Wall Street. Transferindo a economia para a Goldman Sachs, ela desregulamentou o sistema bancário e negociou os acordos de livre comércio que aceleraram a desindustrialização. O que caiu no esquecimento foi o Rust Belt[4] (Cinturão da Ferrugem) – outrora a fortaleza da democracia social do New Deal, e agora a região que entregou o colégio eleitoral a Donald Trump. Aquela região, junto com os centros industriais mais novos do Sul, sofreu um grande impacto à medida que a financeirização descontrolada se desdobrou ao longo das duas últimas décadas. Mantida por seus sucessores, incluindo Barack Obama, as políticas de Clinton degradaram as condições de vida de todos os trabalhadores, especialmente aqueles empregados na produção industrial. Em suma, o Clintonismo[5] tem uma grande parcela de responsabilidade pelo enfraquecimento dos sindicatos, o declínio dos salários reais, a crescente precariedade do trabalho e a ascensão da família de dois assalariados[6] no lugar do finado salário familiar.

Como esse último ponto sugere, o ataque à seguridade social foi encoberto por um verniz de carisma emancipatório, emprestado dos novos movimentos sociais. Ao longo dos anos, quando a indústria produzia crateras, o país falava em “diversidade”, “empoderamento” e “não discriminação”. Identificando “progresso” com meritocracia em vez de igualdade, esses termos equacionavam “emancipação” com a ascensão de uma pequena elite de mulheres “talentosas”, minorias e gays na hierarquia corporativa do tipo “o vencedor leva tudo”, ao invés da abolição desta última. Essa compreensão liberal e individualista de “progresso” substituiu gradualmente uma compreensão mais ampla, anti-hierárquica, igualitária, classista e anticapitalista da emancipação que haviam florescido nas décadas de 1960 e 1970. À medida que a Nova Esquerda diminuía, sua crítica estrutural da sociedade capitalista desapareceu, e a mentalidade liberal-individualista característica do país reafirmou-se, encolhendo imperceptivelmente as aspirações dos “progressistas” e dos autoproclamados esquerdistas. O que selou o acordo, no entanto, foi a coincidência dessa evolução com a ascensão do neoliberalismo. Um partido empenhado em liberar a economia capitalista encontrou seu parceiro perfeito em um feminismo corporativo meritocrático focado em “inclinar-se” [7]e “quebrar a barreira invisível”.

O resultado foi um “neoliberalismo reformista” que misturou ideais truncados de emancipação e formas letais de financeirização. Foi essa mistura que foi rejeitada em grande parte pelos eleitores de Trump. Destacados entre aqueles deixados para trás neste admirável mundo cosmopolita estavam trabalhadores industriais, com certeza, mas também gerentes, pequenos empresários e todos que dependiam da indústria no Rust Belt e no Sul, bem como populações rurais devastadas pelo desemprego e drogas. Para essas populações, o prejuízo da desindustrialização fora agravado pelo insulto do moralismo reformista, que rotineiramente os considerava culturalmente atrasados. Rejeitando a globalização, os eleitores de Trump também repudiam o cosmopolitismo liberal identificado a ele. Para alguns (de modo algum a todos), foi um passo curto para culpar a piora das suas condições de vida quanto ao politicamente correto, pessoas de cor, imigrantes e muçulmanos. Aos seus olhos, feministas e Wall Street eram farinha do mesmo saco, perfeitamente unidos na pessoa de Hillary Clinton.

O que possibilitou essa amálgama foi a ausência de qualquer esquerda genuína. Apesar de explosões periódicas, como Occupy Wall Street, que se revelaram de curta duração, não tem havido uma presença continuada da esquerda há várias décadas nos Estados Unidos. Tampouco existiu qualquer narrativa abrangente da esquerda que pudesse, por um lado, ligar as reivindicações legítimas dos partidários de Trump com uma crítica sólida da financeirização, e por outro com uma visão anti-racista, anti-sexista e anti-hierárquica de emancipação. Igualmente devastador, os vínculos potenciais entre o trabalho e os novos movimentos sociais foram deixados a definhar. Separados um do outro, esses polos indispensáveis de uma esquerda viável estavam a quilômetros de distância, esperando para serem negados como oposição.

Finalmente até a notável campanha primária de Bernie Sanders, que lutou para uni-los depois de algum estímulo do Black Lives Matter[8]. Rompendo o bom senso neoliberal reinante, a sublevação de Sanders foi o paralelo do lado democrata com relação a Trump. Mesmo enquanto Trump estava derrubando o establishment republicano, Bernie ficou a um passo de derrotar o sucessor ungido por Obama, cujos apparatchiks[9] controlavam cada alavanca do poder no Partido Democrata. Entre eles, Sanders e Trump galvanizaram uma enorme maioria dos eleitores americanos. Mas apenas o populismo reacionário de Trump sobreviveu. Enquanto ele facilmente derrotou seus rivais republicanos, incluindo aqueles favorecidos pelos grandes doadores e chefes do partido, a insurreição de Sanders foi efetivamente enquadrada por um Partido Democrata muito menos democrático. Na época da eleição geral, a alternativa da esquerda havia sido suprimida. O que restou foi o “se só tem tu, vai tu mesmo”[10] entre o populismo reacionário e o neoliberalismo reformista. Quando a pretensa esquerda cerrou fileiras com Hillary Clinton, a sorte estava lançada.

No entanto, e a partir daí, essa é uma escolha que a esquerda deve recusar. Em vez de aceitar os termos que nos são apresentados pelas máquinas políticas, que se opõem à emancipação da proteção social, deveríamos trabalhar para redefini-los, aproveitando a vasta e crescente base de repulsa social contra a ordem atual. Em vez de nos aliarmos à financeirização-emancipação contra a proteção social, deveríamos construir uma nova aliança de emancipação e proteção social contra a financeirização. Neste projeto, que se baseia no de Sanders, a emancipação não significa diversificar a hierarquia corporativa, mas sim aboli-la. E prosperidade não significa aumento do valor da ação ou lucro corporativo, mas os pré-requisitos materiais de uma vida boa para todos. Esta combinação continua sendo a única resposta de princípio e vencedora na atual conjuntura.

Eu, por exemplo, não derramo lágrimas pela derrota do neoliberalismo reformista. Certamente, há muito a temer de uma administração Trump racista, anti-imigração e antiecológica. Mas não devemos lamentar nem a implosão da hegemonia neoliberal nem a quebra do controle com mão de ferro do Clintonismo sobre o Partido Democrata. A vitória de Trump marcou uma derrota para a aliança da emancipação e financeirização. Mas sua presidência não oferece resolução da crise atual, nenhuma promessa de um novo regime, nenhuma hegemonia segura. O que enfrentamos, ao contrário, é um interregno, uma situação aberta e instável em que corações e mentes estão em disputa. Nesta situação, não há apenas perigo, mas também oportunidade: a chance de construir a renovação da Nova Esquerda[11].

Se isso acontecer, dependerá em parte de uma séria busca de consciência entre os progressistas que se uniram à campanha de Clinton. Eles precisarão abandonar o mito reconfortante, mas falso, que perderam para um “bando de deploráveis” (racistas, misóginos, islamofóbicos e homofóbicos) auxiliados por Vladimir Putin e o FBI. Eles precisarão reconhecer sua própria parcela de culpa por sacrificar a causa da proteção social, bem-estar material e dignidade da classe trabalhadora a falsos entendimentos de emancipação em termos de meritocracia, diversidade e empoderamento. Eles precisarão pensar profundamente sobre como podemos transformar a economia política do capitalismo financeirizado, reviver o bordão “socialismo democrático” de Sanders e descobrir o que ele pode significar no século XXI. Eles precisarão, acima de tudo, alcançar a massa de eleitores Trump que não são nem racistas nem empenhados como direitistas, mas eles mesmos vítimas de um “sistema fraudulento” que podem e devem ser recrutados para o projeto antineoliberal de uma esquerda rejuvenescida.

Isso não significa silenciar preocupações prementes sobre racismo ou sexismo. Mas isso significa mostrar como essas antigas opressões históricas encontram novas expressões e fundamentos hoje, no capitalismo financeirizado. Refutando o pensamento falso e de soma zero que dominou a campanha eleitoral, devemos articular os danos sofridos por mulheres e pessoas de cor àqueles experimentados pelos muitos que votaram em Trump. Dessa forma, uma esquerda revitalizada poderia lançar as bases para uma nova e poderosa coalizão comprometida em lutar por todos.

 

…………………………………..

Notas:

[1] Publicado em Dissent - https://www.dissentmagazine.org/online_articles/progressive-neoliberalism-reactionary-populism-nancy-fraser , em 02 de Janeiro de 2017.

 

[2] Nancy Fraser é professora de Filosofia e Política na The New School for Social Research, Nova York, EUA, e mais recentemente autora do livro Fortunas do feminismo: do capitalismo controlado pelo Estado à crise neoliberal (Fortunes of Feminism: From State-Managed Capitalism to Neoliberal Crisis , ed. Verso, 2013).

 

[3] Nota da Tradução: Matteo Renzi, Primeiro-ministro da Itália de 22 de fevereiro de 2014até 12 de dezembro de 2016, renunciando em meio a crise em torno de mudanças da lei eleitoral. Prometera “reformar o Senado para que deixe de ser um inconveniente à ingovernabilidade da Itália, construir uma nova lei eleitoral que retire dos pequenos partidos a possibilidade de bloquear a política, simplificar uma burocracia capaz de arruinar qualquer projeto. Mas, além disso, com uma linguagem direta que deixa o mais populista no chinelo, Renzi começou a vender carros oficiais, a distribuir uma ajuda de 80 euros –cerca de 240 reais– por mês aos cidadãos de rendas mais baixas em troca de diminuir os salários astronômicos dos dirigentes públicos, a ridicularizar a contribuição ao bem comum dos sindicatos, da cúpula empresarial, da RAI.” (Pablo Ordaz, El País, 23/06/2014,  https://brasil.elpais.com/brasil/2014/06/23/internacional/1403548979_022204.html)

 

[4] NT: O Cinturão da Ferrugem é um termo pejorativo para a região dos Estados Unidos, composto principalmente pela região do Meio-Oeste e dos Grandes Lagos, embora o termo possa ser usado para incluir qualquer local onde a indústria tenha declinado a partir de 1980.

 

[5] NT: Clintonismo é um termo que designa a política econômica de Bill Clinton e sua esposa Hillary Rodham Clinton, bem como a era de sua presidência nos Estados Unidos.

 

[6] NT: two–earner family , isto é, casais com renda dupla, ambos os cônjuges ganham para a família, sendo que um dos cônjuges o trabalho é geralmente considerado secundário.

 

[7] NT: Lean in traduzido aqui como “inclinar-se” fisicamente (aproximar-se) para se fazer ouvir, expressão relacionada a ascensão das mulheres numa empresa.

 

[8] NT: Black Lives Matter,(BLM) traduzido como As Vidas Negras Importam, movimento ativista internacional, originada na comunidade Afro-americana, contra a violência direcionada as pessoas negras. Teve início em 2013 com o uso da hashtag #BlackLivesMatter em mídias sociais, após a absolvição de George Zimmerman na morte a tiros do adolescente afro-americano Trayvon Martin.

 

[9] NT: Apparatchik é um termo coloquial russo que designa um funcionário em tempo integral, um agente do “aparato” governamental ou partidário que ocupa qualquer cargo de responsabilidade burocrática ou política. Atualmente o termo é utilizado para descrever pessoas que tenham sido indicadas para um determinado cargo com base em sua lealdade ideológica ou política e não por sua competência, ou até mesmo alguém que se dedica cegamente a uma causa. (adaptado da Wikipedia)

 

[10] NT: Hobson’s choice, a escolha de Hobson, expressão que também signiifica “é pegar ou largar”, “ou tudo ou nada”.

 

[11] NT: A Nova Esquerda (New Left em inglês) refere-se aos movimentos políticos de esquerda surgidos em vários países a partir da década de 1960, se diferenciando dos movimentos de esquerda anteriores, voltados para um ativismo trabalhista, adotando um ativismo social. Nos Estados Unidos, a Nova Esquerda está associada aos movimentos populares, como o Hippie, os de protesto à Guerra do Vietnã e pelos direitos civis, que visavam a acabar com a opressão de classe, gênero sexual, raça e sexualidade. Na Europa, a Nova Esquerda foi um movimento intelectualmente dirigido, que buscava corrigir os erros dos antigos partidos de esquerda no período do pós-guerra. A Nova Esquerda voltou sua atenção para a cultura ocidental, tratando de temas como raça, gênero, sexualidade e elitismo, com a proposição de que o desenvolvimento deve ocorrer antes, ou pelo menos junto ao crescimento econômico. (adaptado da Wikipedia).

noticia_normal

Reflexões sobre o texto de Michael Roberts quanto ao resultado das eleições alemãs

Lothar Wentzel

 

A análise de Michael Roberts (ver nota do CVM) é muito interessante e contém muitas observações corretas, mas não aborda o ponto crucial do problema.

Roberts constata um forte deslocamento para a direita. As direitas radicais até agora estavam divididas em diferentes partidos, que compreendiam cerca de 10% dos votos. A novidade é que elas se juntaram num partido (AfD) que agora obteve 12,6%. Isso ainda não significa um forte deslocamento para a direita.

Os votos se redistribuíram de novo no campo burguês, tendo o lado da direita liberal ganhado em influência. O que é mais característico é uma insatisfação geral dirigida contra os partidos do governo. O número de eleitores que não compareceram às eleições continuou alto como antes.

A propósito, os membros da AfD começam agora novamente a se dividir, por isso vale a pena examinar mais de perto os seus eleitores:

  •  Na antiga DDR (Alemanha Oriental) a participação relativa dos eleitores de direita é de duas a três vezes maior do que na Alemanha Ocidental, apesar de quase não haver estrangeiros por lá. O fracasso da DDR deixou atrás de si uma grande desorientação política. Movimentos sociais como os de estudantes, de mulheres ou ecológicos nunca existiram ali. Há pouca experiência com a auto-organização das pessoas e o pensamento autoritário é fortemente difundido. Economicamente, o leste ainda não atingiu a unificação  com o oeste. O pensamento nacional tem ali um grande significado, pois a nação  comum é o fundamento ideológico para exigir a continuidade do apoio financeiro da parte ocidental. O medo de que o apoio do oeste vinha a diminuir, por causa do dinheiro recebido pelos „refugiados“,  foi promovido pela direita. Ali também sobrevivem ambientes „conservadores“, que se sentem fortemente repelidos pelo ambiente liberal nas grandes cidades alemãs-ocidentais, a exemplo da igualdade de direitos para os homossexuais. leia mais
die_link_postal_autoc_0001

Breve informe sobre a eleição na Alemanha

 

por Lothar Wentzel

Provavelmente há também na imprensa brasileira relatos dos resultados eleitorais na Alemanha. Gostaria de dar a vocês uma avaliação resumida. Três fatos são marcantes: o maior partido do governo, o CDU/CSU, perdeu mais de 8,5 pontos percentuais e o menor, o SPD, 5,2 pontos percentuais; os populistas de direita ganharam 7,9 pontos percentuais e chegaram a 12,6% dos votos; um partido liberal de direita foi eleito para o parlamento com 10,7%.

A Alemanha vai bem economicamente, o desemprego diminui, ficando algo acima de 5%. O balanço do governo não é mau, à primeira vista. E, apesar disso, ocorreu esse resultado. leia mais

IMG_4390

Síria: Fissão Tóxica

por Pepe Escobar
Oriente medio, 7 de abril 17
(foto: Hospital sírio atingido por ataque com gás sarin em abril de 2017)

“Esses atos odiosos do regime Assad não podem ser tolerados.” Assim falou o presidente dos EUA. Tradução instantânea: Donald Trump – e/ou toda a sopa de letras das agências de inteligência dos EUA, sem qualquer investigação detalhada –, estão convencidos de que o Ministério de Defesa da Rússia está simplesmente mentindo.

É acusação gravíssima. O porta-voz do Ministério da Defesa da Rússia, major-general Igor Konashenkov, reforçando que se tratava de informação “absolutamente objetiva e verificada”,  identificou  um ataque da Força Aérea Síria lançado contra um depósito “rebelde moderado” a leste da cidade de Khan Sheikhoun usado pelos rebeldes para produzir e estocar ogivas carregadas com gás tóxico.  Konashenkov acrescentou que os mesmos produtos químicos foram usados pelos “rebeldes” em Aleppo no final do ano passado, conforme amostras recolhidas por especialistas militares russos.
Pois mesmo assim Trump sentiu-se compelido a telegrafar a linha que,hoje, virou sua pessoal linha vermelha na Síria: “Militarmente, não gosto de dizer quando e o que faço. Não estou dizendo que não farei coisa alguma de um modo ou de outro, e com certeza não diria a vocês (à mídia.)”

Por seu lado no gramado da Casa Branca, o patético reizinho dePlaystation da Jordânia elogiava a “abordagem realista [de Trump] para os desafios na região.”

Poderia passar por sketch de Monty Python. Desgraçadamente é de verdade.

O que está em jogo em Idlib  Histeria à solta – mais uma vez –, a opinião pública ocidental esquece convenientemente que as armas químicas que Damasco declaradamente  possuía foram destruídas  faz tempo, em 2014, a bordo de um navio dos EUA, sob supervisão da ONU.

E a opinião pública ocidental convenientemente esqueceu que antes que Barack Obama transpassasse teoricamente a linha vermelha das armas
químicas, um relatório secreto da inteligência dos EUA  já deixara bem claro que Jabhat [Frente] al-Nusra, codinome: al-Qaeda na Síria, já dominava todo o ciclo de produção e emprego do gás sarín e era capaz de produzi-lo em quantidade.

Para nem dizer que o governo Obama e seus aliados Turquia, Arábia Saudita e Qatar firmaram um pacto secreto em 2012 para lançar um ataque com gás sarín e culpar Damasco, criando o cenário indispensável para um replay da operação “Choque e Pavor”. O dinheiro necessário para o projeto veio da conexão OTAN-CCG combinada a uma conexão CIA -MI6 também conhecida como linha de rato, para transferir todos os tipos de armas, da Líbia para jihadistas-salafistas na Síria.

soares

Portugal 1974: Liquidação das conquistas democráticas

               Como complemento a leitura do texto A “Doutrina Soares” de Raquel Varela, o CVM publica esta análise de Érico Sachs / Ernesto Martins, publicada na Revista Marxismo Militante Nº 2 exterior em fevereiro de 1975.  (CVM)

 

 

O Segundo Pacto, concluído entre militares e representantes dos partidos políticos, deverá marcar a volta de Portugal a um regime democrático-parlamentar burguês. Embora os militares resguardassem o direito de intervenção política nos próximos quatro anos, o princípio da divisão dos poderes e o acesso dos políticos ao governo foram garantidos pelo Pacto.

Estamos em plena fase de liquidação das conquistas revolucionárias do movimento desencadeado pelo 25 de Abril. O marco visível para o declínio do processo revolucionário foi o 25 de novembro do ano passado, a fracassada rebelião dos paraquedistas. Representou, entretanto, somente um marco externo, pois de outro modo não seria compreensível a relativamente fácil vitória da reação. Desde agosto, pelo menos, as forças revolucionárias e a esquerda em geral se encontram na defensiva. Apesar de ter havido contra-ataques e do movimento de polarização no seio da própria esquerda, todos os sucessos momentâneos, aparentes ou reais, não conseguiram anular a tendência geral da ofensiva das forças da direita.

Não pretendemos aqui reconstruir essa evolução em todos os seus detalhes. Nos limitaremos a destacar os seus pontos altos, que permitem uma compreensão melhor da situação atual e uma avaliação das perspectivas.

Em agosto de 1975, as ações terroristas no Centro e no Norte de Portugal, dirigidas contra o PC, sindicatos e outras forças de esquerda, tinham atingido o seu ponto culminante. Quase todas as sedes do partido tinham sido destruídas, mormente nas localidades menores. Ao norte de rio Tejo, o PC e organizações à esquerda dele tinham voltado a uma existência semiclandestina ou mesmo clandestina. Se os bandos terroristas diminuíram então as suas atividades ostensivas, isto se deu não só porque tinham cumprido as suas tarefas. No quadro de uma estratégia geral da ofensiva da direita, a iniciativa foi deixada então a cargo do grupo Melo Antunes no seio do MFA, o que em espaço de tempo relativamente curto levou a queda do Governo Gonçalves.

A FUNÇÃO DO GOVERNO AZEVEDO

A formação do próximo governo Azevedo, foi precedida por negociações prolongadas e penosas. Finalmente aceitou-se a plataforma apresentada pelo PS e apoiada pelo PPD, a qual visava o “restabelecimento da legalidade”, isto é, o “saneamento” da imprensa e rádio de elementos comunistas e de esquerda, a demissão dos Presidentes dos Conselhos (prefeitos) comunistas e seus aliados, o restabelecimento da disciplina nas FFAA, a reorganização da economia, etc. Era óbvio que se tratava de uma plataforma de repressão, pois nenhum ponto deste programa poderia ser realizado sem despertar a resistência dos operários e de demais camadas da população interessadas nas conquistas revolucionárias.

O PC ingressou também neste governo, fornecendo um ministro, aceitando dessa maneira as condições impostas pelo OS e o PPD. Estava claro, porém, que o PC não tinha voz ativa no governo. Ou ficava em minoria no Gabinete, ou então, nem sequer foi informado de certas medidas, como no caso da destruição da torre de emissão da Rádio Renascença. O PC tinha entrado no governo com a justificativa de querer “evitar o pior”. O fato de ter sido convidado a entrar nesse governo, evidentemente não se deve a considerações de ordem democráticas de representatividade, e sim, ao predomínio, que o Partido exercia sobre o proletariado de Lisboa. Para um confronto aberto com essa parte mais coesa da classe operária portuguesa, reformistas e burgueses não queriam arriscar ainda.

O programa governamental não funcionava. O Gabinete Azevedo fracassava continuamente pelo fato de não dispor das FFAA como instrumento de repressão. E sem um movimento de repressão adequado era difícil impor medidas reacionárias. Nas FFAA tinha se dado um adiantado processo e deterioração da hierarquia. No Sul havia poucas unidades, que se prestavam a medidas repressivas contra a esquerda. No Norte, no Porto, tinha sido fundado o SUV (Soldados Unidos Vencerão) e a rebelião da Unidade de Transportes, RASP, igualmente no Porto, tinha se tornado prova de força, na qual o governo se viu obrigado a fazer concessões. O “restabelecimento da disciplina” no seio das FFAA tornou-se a tarefa principal para o governo, mas toda tentativa neste sentido provocava nova oposição e novas rebeliões nas fileiras.

A classe operária soube aproveitar a evidente fraqueza do governo, desencadeando novos movimentos de massas pela defesa do nível de vida, que deteriorava rapidamente sob a inflação. Começou com a greve vitoriosa dos metalúrgicos e atingiu um auge como o cerco da Assembleia Constituinte pelos operários de construção. Em Lisboa começou-se a falar de transferência do governo e Constituinte para o Porto, a fim de livrá-los da pressão direta dos operários da capital.

Nessas condições, o PC começou a mudar de atitude. Sob a pressão do movimento de massas apoiou as greves (embora condenasse o cerco da Constituinte). Em breve foi acusado de estar “com um pé na oposição e com outro no governo”. No seio da fração governamental, por outro lado, começou a esboçar-se uma cisão. Otelo de Carvalho, ainda chefe do COPCON[1 - ver Nota no final do texto], e o chefe do Estado Maior, Fabião, começaram a distanciar-se do programa repressivo, que ganhara força entre os militares governamentais.

A situação se tornou tão insustentável para o governo, que decidiu parar as suas atividades. Não se demitiu para evitar nova crise ministerial mas transferiu todas as responsabilidades para o Presidente da República. Este se apoiou no Conselho da Revolução.

Entrementes, medidas decisivas tinham sido tomadas nos bastidores, sem que algo de concreto transpirasse para fora. Em virtude da impotência do governo de impor o “restabelecimento da disciplina” nas FFAA, a tarefa foi confiada a um restrito grupo de oficiais “apolíticos”, que desfrutou do apoio do Conselho da Revolução e da fração Antunes. Como chefe desse grupo operacional foi escolhido o General Ramalho Eanes, atual chefe do Estado Maior, e a figura mais ativa foi sem dúvida, o coronel Jaime Neves, chefe das unidades de comando da Amadora. leia mais