Novo Germinal: Crise climática capitalista e a luta de classes no RS. Entrevista com Fernando Dellinburguer, Mercedes Galvão e Leonardo Eberhardt

Nesta edição do programa Segunda Opinião, tratamos da crise climática capitalista e a luta de classes – com foco na tragédia que acometeu o Rio Grande do Sul. Nossa mesa tem a participação de Fernando Dellimburguer (Luta Operária), Mecedes Galvão e Leonardo Eberhardt (ambos do Centro Victor Meyer).

Para assistir, clique no link e acione a notificação do vídeo:

https://www.youtube.com/live/EJGno6NvgAg?si=8V3A6rl1OvQMyJ5J

Novo Germinal: A greve dos 700 mil. História e lições do movimento operário. Entrevista com Eduardo Stotz

Nesta segunda-feira, dia 10/06, às 19h, no programa Segunda Opinião, mergulhamos na memória do movimento operário brasileiro. Nosso camarada Eduardo Stotz, do Centro de Estudos Victor Meyer, traz a história e as lições da Greve dos 700 mil, eclodida em São Paulo em outubro de 1963.

Para assistir, clique no link e acione a notificação do vídeo

Fatos & Crítica 47: O 1º de maio de 2024 e os desafios dos trabalhadores

 

 

Fiasco e fracasso foram palavras correntes usadas para explicar a escassa participação dos trabalhadores no 1º de Maio no Brasil deste ano. Um contraste com o que aconteceu no resto do mundo, com amplas manifestações nas quais a reivindicação de redução da jornada do trabalho levantada em 1889, quando a data passou a ser comemorada como dia internacional de luta dos trabalhadores tem sido retomada em vários países.  A resistência à exploração e a luta em termos de classe proporcionada pela regulamentação da jornada de trabalho constituem passos importantes no sentido do questionamento da dominação da burguesia. São aprendizados a serem feitos.

 

Como foram os atos de primeiro de maio?

No dia 1º de maio de 2024, as tradicionais manifestações do Dia do Trabalhador reuniram milhares de trabalhadores pelo mundo que saíram às ruas para reivindicar melhores condições de vida e trabalho. leia mais

A escravidão assalariada tem que acabar

João Ferreira – Encontraponto

 

Ainda que a muitos a expressão “escravidão assalariada” possa soar estranha – afinal o trabalhador que aluga sua força de trabalho em troca de um salário é um trabalhador livre e não um escravo – o texto a seguir a utiliza nos termos em que a apresentou Karl Marx em duas obras: Trabalho Assalariado e Capital (1849) e Salário, Preço e Lucro (1865).

Ao assumir a máxima e desenvolvê-la conforme apresentada por Marx, temos consciência de estarmos vivendo o (no) tempo presente e do risco de supor uma continuidade histórica, de torná-la “contemporânea” – tão a gosto de muitos marxistas acadêmicos. Por isso mesmo, precisamos nos perguntar se é possível acabar com a escravidão assalariada e quais são, na atualidade, as indicações dessa possibilidade.

O termo é uma apropriação das ideias desenvolvidas pelos primeiros economistas burgueses na França do século XVIII, dentre os quais Marx destacou, na compilação crítica das Teorias da Mais Valia, o nome de Longuet, escravocrata convicto.

leia mais