vito-giannotti

Companheiro Vito Giannotti, presente!

O Centro de Estudos Victor Meyer lamenta a perda de Vito Giannotti, que dedicou sua vida a causa do socialismo.

- Companheiro Vito Giannotti, presente !

“Filho de italianos Vito Giannotti, 61, chegou a São Paulo em 1964, trabalhou como metalúrgico, mas como gostava muito de escrever, no tempo que tinha livre buscava exercitar o desejo. Fez um ano de sociologia, parou para fazer política e nunca mais voltou. É autor de mais de 20 livros. O escritor era membro da CUT (Central Única dos Trabalhadores), que ajudou a fundar em 1983. leia mais

Eduardo Cunha 1

FATOS & CRÍTICA nº 3: Balbúrdia entre os representantes da classe dominante enquanto se mantém o jogo de soma nula

FATOS & CRÍTICA nº 3

Coletivo CVM

Nos quatro meses decorridos desde a última edição de Fatos & Crítica nº 2 pode-se dizer que a crise se mantém nos mesmos limites que deram origem ao título Jogo de soma nula. Apesar de ter conseguido aprovar parte do ajuste fiscal imposto pelos interesses do capital financeiro, no qual se unificam os interesses das demais frações do grande capital, do industrial ao agrário, o governo Dilma continuou a enfrentar a ameaça de impeachment e a recusa do Congresso a implementar outras medidas do ajuste, a exemplo do aumento dos impostos.

Uma aliança entre o PMDB e PSDB, interessados em desgastar e inviabilizar politicamente Dilma e o PT no rumo à sucessão de 2018, reuniu Eduardo Cunha, presidente da Câmara dos Deputados e Aécio Neves, candidato derrotado na eleição passada e atual líder das pesquisas sobre intenções de voto se a eleição acontecesse no momento atual. Na primeira semana de julho, considerando a probabilidade do Tribunal de Contas da União rejeitar as contas do governo Dilma, articularam-se para o impeachment. Entretanto, pairava sobre a cabeça de Eduardo Cunha (e também de Renan Calheiros, presidente do Senado), a ameaça da cassação de mandato em decorrência de denúncias oriundas da Operação Lava-Jato. leia mais

programa de proteocao emprego

A proposta das centrais sindicais Força Sindical, CUT, UGT e Nova Central que agora é uma proposta também do governo Dilma só tem um objetivo: aumentar o lucro dos patrões diminuindo os salários dos trabalhadores

Do site da Intersindical – Instrumento de Luta e Organização da Classe Trabalhadora

 

Chamado de PPE (Programa de Proteção ao Emprego) esse projeto apresentado pelas centrais protege mesmo os interesses dos empresários.

Por essa proposta que tem por objetivo atingir a todos os trabalhadores sejam metalúrgicos, comerciários, bancários enfim, quando os patrões julgarem que estão em crise, através dos dados manipulados que serão aceitos pelo governo, eles poderão deixar de pagar 30% dos salários.

O governo pagará através dos recursos do Fundo de Amparo do Trabalhador (FAT) apenas 15% do que falta. E os outros 15 %? Quem paga? Ninguém, o trabalhador perde no salário, nas férias, no 13° e também na aposentadoria, pois o tempo de salário reduzido vai contar na hora de se aposentar.

Por exemplo, se hoje você recebe um salário de R$ 2.500,00;

Pela proposta do PPE você receberia apenas: R$ 2125,00;

Então você perderia: R$ 375,00 nos salários ao mês

Nas férias perderia R$ 375,00 mais 125,00 em relação ao abono de férias

No 13° salário perderia R$ 375,00

Em 12 meses você perderia um total de R$ 6.375,00

Enquanto os empréstimos bancários confiscam nossos salários, os patrões dão calote e tentam diminuir ainda mais os nossos salários e contam com isso com o apoio do governo e de pelegos.

- O governo Dilma deu calote no pagamento do PIS/PASEP dos trabalhadores que deveriam receber esse direito entre janeiro e junho de 2015. Com esse calote vai usar o dinheiro dos próprios trabalhadores para bancar parte desse Programa que protege aos empresários.

- O Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), que será usado no PPE já tem um rombo provocado pela farta ajuda do BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social), que garante empréstimos para empresas privadas que serão pagos a perder de vista.

- Enquanto o governo é generoso com os patrões, ainda tem a cara de pau em dizer para os trabalhadores economizarem para pagar as dívidas. Dívidas que foram provocadas porque o salário cada vez cobre menos as contas com alimentação, moradia, estudo.

PP Emprego

Seguimos firmes na luta contra o Plano de Proteção ao Empresariado

Do site da Intersindical – Instrumento de Luta e Organização da Classe Trabalhadora

O governo Dilma mandou no dia 06 de julho Medida Provisória para o Congresso Nacional com o objetivo de colocar na lei a redução de salários de todos os trabalhadores.

A proposta foi apresentada pelas centrais sindicais: Força Sindical, CUT e UGT, como já tínhamos denunciado no inicio desse ano e defende que os patrões paguem apenas 70% dos salários. Dos 30% que seriam retirados dos trabalhadores, o governo paga 15% através dos recursos do FAT (Fundo de Amparo do Trabalhador) e os outros 15%? Ninguém paga, o trabalhador perde, enquanto o patrão embolsa 30% do salário de cada um.

Portanto a Programa de Proteção ao “Emprego, garante que os lucros dos patrões não sejam diminuídos, mas sim os salários dos trabalhadores e também direitos como férias, 13° salário, FGTS, INSS, ou seja, essa proposta ataca o trabalhador enquanto estiver trabalhando e depois também ao se aposentar. leia mais